Número de homicídios contra mulheres quase dobra em 10 anos no RS

25/06/2018

 Os homicídios contra mulheres no Rio Grande do Sul tiveram uma alta de 90,1% entre 2006 e 2016. É o que aponta o Atlas da Violência, divulgado pelo Instituto de Pesquisa Econômica e Aplicada (Ipea) e pelo Fórum Brasileiro de Segurança Pública (FBSP), divulgado na última semana.

 

Nesses dez anos, o número de assassinatos passou de 162 registros para 308. Com o sétimo maior crescimento entre os estados brasileiros neste crime, a proporção no RS é também superior à evolução das mortes no Brasil. Em todo o país, a alta foi de 15,3%, passando de 4.030 homicídios em 2006 para 4.645 em 2016. Proporcionalmente, a acentuação mais grave é no Rio Grande do Norte, que avançou de 42 homicídios contra mulheres em 2006 para 100 dez anos depois.

 

Nas regiões Sul e Sudeste, o Estado lidera a alta nos assassinatos de mulheres, alcançando índices comparáveis aos de Norte e Nordeste. Paraná, São Paulo, Rio de Janeiro e Minas Gerais tiveram reduções nos homicídios de mulheres, enquanto Santa Catarina apresentou alta de 16,3% no período apurado.

 

Conforme os pesquisadores do Atlas da Violência, com os dados obtidos para a pesquisa não é possível medir a quantidade exata de feminicídios. Alertam, porém, que a mulher assassinada normalmente é uma vítima de outras violências anteriores: “A mulher que se torna uma vítima fatal muitas vezes já foi vítima de uma série de outras violências de gênero, por exemplo: violência psicológica, patrimonial, física ou sexual”.

 

Uma rede eficiente de apoio à mulher, argumenta o Atlas, evitaria número considerável de mortes: “Muitas poderiam ser evitadas, impedindo o desfecho fatal, caso as mulheres tivessem tido opções concretas e apoio para conseguir sair de um ciclo de violência”.

 

 

Fonte: Correio do Povo

Compartilhar no Facebook
Share on Twitter
Please reload

A reprodução de todo o conteúdo deste site é autorizada mediante indicação de fonte

Vitrine do Povo - CNPJ 33.306.787/0001-73