Chuvas amenizam estiagem, mas não recuperam perdas


As chuvas registradas nas últimas semanas amenizaram a severa estiagem que afeta a região de Palmitinho ao longo dos últimos meses. As precipitações, porém, não reverte o quadro de perdas nas centenas de famílias afetadas diretamente pela seca.

Ao longo dos últimos meses, a Administração Municipal vêm atendendo ao menos 350 famílias atingidas pela grave estiagem que causou grandes perdas na agricultura e pecuária do município, com registros de até 80% de prejuízo em algumas culturas e perdas que se aproximam de R$ 40 milhões.


Uma força-tarefa envolvendo a Defesa Civil Municipal, a Secretaria da Agricultura e Meio Ambiente, a Emater/RS, e a Secretaria de Obras e Viação atendeu diariamente as cerca de 350 famílias que necessitavam do transporte de água para atender a demanda de suas propriedades, sendo que algumas destas ainda necessitam, mesmo após as chuvas dos últimos dias.


Conforme a Secretaria Municipal da Agricultura e Meio Ambiente, na primeira metade de fevereiro, eram aproximadamente 300 famílias atendidas com o transporte de água para o consumo animal e outras cerca de 50 que necessitavam de água para o consumo humano, tendo em vista de que as fontes de bebedouros e açudes haviam secado.


De acordo com os dados da Secretaria, o trabalho intensivo foi realizado por ao menos 6 caminhões, um trator distribuidor do município e cerca de 30 tratores de agricultores que de forma voluntária levam água para as famílias. – São aproximadamente 840 mil litros de água por dia em um trabalho intensivo dos servidores que dedicam até 14 horas diárias de trabalho para atender as famílias, relatou o Secretário do Planejamento e Ex-Secretário da Agricultura, Cleber Luís Sponchiado, em meados de fevereiro.


A água para atender as propriedades era retirada de pontos autorizados de captação no Rio Guarita, com o auxílio de voluntários e de veículos do município ou terceirizados, que chegaram a percorrer 260 quilômetros diários para atender as famílias, conforme relato do Secretário da Agricultura e Meio Ambiente, Evonir da Rocha.


Segundo levantamento, os custos mensais para atender as famílias chegaram a R$ 500 mil, sendo todo o montante oriundo de recursos próprios do município. - O levantamento foi enviado para autoridades estaduais e federais a fim buscar auxílio destes entes e assim somarmos forças para amenizar as grandes perdas já registradas, salienta o Vice-Prefeito Municipal Elisandro da Silva.




Fotos: Dejair de Castro/Ascom