Cientistas europeus descobrem subvariante da Ômicron ainda mais infecciosa


A subvariante BA.2 da cepa Ômicron do coronavírus, que rapidamente assumiu o controle na Dinamarca, é ainda mais transmissível que a original – BA.1 – e mais capaz de infectar pessoas vacinadas. A informação foi divulgada num estudo dinamarquês divulgado, nesta segunda-feira, pela Agência Reuters.


A pesquisa, que analisou infecções por coronavírus em mais de 8,5 mil lares dinamarqueses entre dezembro e janeiro, concluiu que as pessoas infectadas com a subvariante BA.2 tinham probabilidade aproximadamente 33% maior de infectar outras pessoas, em comparação com as infectadas com BA.1.


Em todo o mundo, a subvariante BA.1 “original” é responsável por mais de 98% dos casos de Ômicron. Na Dinamarca, a BA.2 rapidamente se tornou a cepa dominante, destronando a BA.1 na segunda semana de janeiro.


“Concluímos que a Ômicron BA.2 é inerentemente e substancialmente mais transmissível do que a BA.1, e que também possui propriedades imunoevasivas que reduzem ainda mais o efeito protetor da vacinação contra infecções”, disseram os pesquisadores.


O estudo, ainda não revisado por pares, teve a participação de cientistas do Statens Serum Institut (SSI), da Universidade de Copenhague, e estatísticos da Universidade Técnica da Dinamarca. “Se você foi exposto à Ômicron BA.2 em casa, tem 39% de probabilidade de ser infectado no período de sete dias. Se você tivesse sido exposto à BA.1, a probabilidade seria de 29%”, disse à Reuters o principal autor do estudo, Frederik Plesner. Isso sugere que a BA.2 é cerca de 33% mais infecciosa do que BA.1, acrescentou.


Casos de BA.2 também foram registrados nos Estados Unidos, Reino Unido, Suécia e Noruega, mas em extensão muito menor do que na Dinamarca, onde a subvariante já aparece em cerca de 82% das infecções.




Foto: Correio do Povo

Foto: Divulgação/Web