Maioria dos pais brasileiros querem vacinar os filhos


Um estudo realizado pela Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) aponta que 80% dos pais brasileiros pretendem vacinar os filhos contra a Covid-19. A pesquisa apontou resistência por parte de 20% dos entrevistados. A disseminação de notícias falsas e o desconhecimento sobre a imunização foram identificadas como algumas das causas para a hesitação.


De acordo com o estudo, dentre a parcela menor, que não pretende vacinar os filhos, 16,4% são pais de crianças entre 0 e 4 anos, 14,9% pais de adolescentes e, 12,8%, pais de crianças entre 5 e 11 anos. A pesquisa ouviu 15.297 pessoas por meio de formulário on-line e contou com participações de todo o país.


Entre os que responderam ao questionário, 70,55% eram moradores da região Sudeste, 11,13% da região Sul, 8,27% da região Nordeste, 7,6% da região Centro-Oeste e 2,4% da região Norte. Embora seja uma minoria que esteja relutante em relação à vacinação, a Fiocruz levantou os motivos alegados para quem resiste à imunização contra o vírus.


Entre os que temem vacinar os filhos, há os que afirmam "terem muito medo de reações adversas à vacina, subestimam a gravidade da pandemia, acreditam que quem teve Covid-19 não precisa vacinar, discordam que a vacina tornaria o retorno escolar mais seguro e os que acreditam que a imunidade natural é uma opção melhor de proteção do que a vacina".


A disseminação de notícias falsas, como a falsa ligação da vacina com um aumento de miocardite (inflamação do músculo cardíaco), nas crianças, também motiva a rejeição de alguns pais.


A Fiocruz ressaltou que as vacinas são seguras, e que a dose administrada em crianças tem apenas 0,2 mL, enquanto a de adulto tem 10 mL. Nos Estados Unidos, 8,7 milhões de crianças já foram vacinadas, sem que nenhum óbito tenha sido registrado.


Ao todo, 4.249 eventos adversos foram identificados, o que representa apenas 0,049% das doses aplicadas, sendo que a grande maioria (97,6%) dos efeitos notificados foi de leve a moderado — como dor no local da injeção, fadiga ou dor de cabeça.





Fonte: Correio do Povo

Foto: Arquivo/Web