RS pode antecipar imunização de professores da rede estadual


O governo do Estado e o poder Legislativo se reuniram, nesta terça-feira, por meio de videoconferência, para pleitear a antecipação da vacinação dos professores e funcionários da rede estadual de educação. A categoria já pertence ao grupo prioritário para a imunização, mas ainda não há previsão de quando o governo federal disponibilizará doses suficientes para imunizar todos os professores. Atualmente, as aulas presenciais nas escolas públicas e privadas estão suspensas pela Justiça em todo o território gaúcho.


Durante a reunião, o governador Eduardo Leite assinou um ofício que será enviado ao ministro da Saúde, Eduardo Pazuello, para oficializar o pleito. O texto argumenta que a postergação do retorno presencial das aulas representa o aumento do abandono e da evasão escolar, o crescimento do índice de distorção idade-série e perdas pedagógicas, entre outras consequências.


“Entendo que essa é mais do que uma preocupação com os professores, é com a educação em si. É importante que tenhamos os profissionais da área da educação imunizados para dar a eles a tranquilidade que permita o retorno às aulas com serenidade. Precisamos avançar para criar essa consciência perante o governo federal”, destacou o governador.


Se o cronograma apresentado pelo Ministério da Saúde for cumprido, a previsão é de que os professores comecem a ser vacinados em meados de maio. Leite explicou que, sem uma concordância por parte do governo federal, o RS não pode decidir, sozinho, priorizar os professores em detrimento de outros profissionais ou pessoas do grupo prioritário. A ordem de vacinação dos grupos prioritários obedece aos critérios estabelecidos pelo Ministério da Saúde.


O Rio Grande do Sul já vacinou mais de 483,1 mil pessoas até esta terça-feira, que integram os grupos de riscos. Até o momento, estão sendo imunizados com a primeira dose trabalhadores da área da Saúde, pessoas de 60 anos ou mais institucionalizadas, povos indígenas, pessoas com deficiência, e idosos a partir dos 60 anos. Apenas os três primeiros grupos citados já receberam a segunda aplicação da vacina.



Fonte: Correio do Povo

Foto: Arquivo/Web