top of page

RS tem 5 mil desabrigados devido a ciclone


Na noite deste domingo, o tenente-coronel Adriano Zanini, responsável pela Coordenadoria Regional da Defesa Civil (CREPDEC) Metropolitana, apresentou um balanço do trabalho realizado em conjunto com o Corpo de Bombeiros, desde a noite de quinta-feira, em 41 municípios do Estado. Ele salientou que cerca de 5 mil pessoas estão desabrigadas e 800 desalojadas. O ciclone deixou ao menos 13 mortos.


Zanini informou que, dos 41 municípios afetados, 27 estão localizados na região metropolitana e litoral. "Até o momento, temos quase cinco mil pessoas desabrigadas e cerca de 800 desalojadas. Infelizmente, registramos 13 óbitos e, no município de Caraá, ainda há quatro pessoas desaparecidas". Zanini ressaltou que uma força-tarefa com helicópteros da Brigada Militar e da Polícia Civil está atuando ininterruptamente nas buscas pelos desaparecidos.


Devido à intensidade das chuvas, muitos rios tiveram um aumento rápido do nível das águas. O coordenador afirmou que a maioria dos rios está em declínio, com exceção do rio dos Sinos. Por esse motivo, estão sendo realizadas remoções das pessoas que residem em comunidades ribeirinhas.


Doações estão sendo enviadas de diferentes regiões, tanto do RS quanto de outros Estados. No entanto, ainda é necessário continuar com a campanha de arrecadação de roupas, calçados, água, colchões e, principalmente, materiais de limpeza e higiene para as pessoas que estão retornando para suas residências.


Durante o dia, representantes da Coordenadoria Estadual de Proteção e Defesa Civil acompanharam uma equipe do Grupo de Apoio a Desastres da Defesa Civil Nacional (GADE), vinculado ao Centro Nacional de Desastres da Secretaria Nacional de Proteção e Defesa Civil. A equipe chegou ao Rio Grande do Sul no sábado com o objetivo de apoiar as autoridades estaduais e municipais na elaboração de documentos para a declaração de situação de emergência nos municípios, além de agilizar e otimizar a chegada de recursos para as ações de resposta e reconstrução.


Municípios com maior número de desabrigados e desalojados

Esteio - 1200 desabrigados Gravataí - 800 desabrigados São Leopoldo - 750 desabrigados Lindolfo Collor - 500 desabrigados e 130 desalojados Maratá - 320 desalojados Maquiné - 200 desabrigados e 100 desalojados Taquara - 200 desabrigados e 60 desalojados Novo Hamburgo - 216 desabrigados Três Forquilhas - 200 desabrigados Dois Irmãos - 183 desabrigados Caraá - 180 desabrigados Parobé - 180 desabrigados São Sebastião do Caí - 134 desabrigados Sapiranga - 108 desabrigados e 60 desalojados






Fonte: Correio do povo

Foto: Divulgação/Defesa Civil

Comments


bottom of page